domingo, 26 de fevereiro de 2017

Amor, admiração e encantamento

Assistindo alguns vídeos de Arly Cravo aqueles  que não me fariam pirar achando pêlo em ovo kkk, tirei conhecimentos preciosos que gostaria de compartilhar com vocês.



É fato que somos produto do que sentimos, o que geralmente não paramos para pensar é que isso interfere no que conquistamos. Se desejamos algo - material, físico ou emocional -  a partir de uma raiva, mágoa, vingança, humilhação, perda, cerceamento social, cobrança, expectativa, ansiedade, muito possivelmente conquistaremos, mas em geral o produto da conquista, embora traga uma satisfação momentânea, não preenche nosso interior, ou traz consigo uma carga negativa que repercute de forma insatisfatória.


Por exemplo, quem deseja ascensão financeira, quando consegue, acaba se envolvendo em outras situações indesejáveis para sustentá-la ou perdendo dinheiro de forma inesperada; quem cultiva um corpo perfeito por vaidade pode acabar com lesões sérias; quem almeja um alta posição social pode acabar sobrecarregado ou vítima de inveja; quem se envolve em um relacionamento por status, aparência física ou carência pode conquistar algo possessivo, superficial ou doentio, e assim por diante.

Isso acontece quando o que almejamos tem origem no ego ---> a criança mimada que vive dentro da gente, gerando desejos comumente confundidos com necessidades para satisfazer ou amaciar sentimentos como insegurança, medo, inferioridade, raiva, humilhação, incapacidade, rejeição, culpa, ressentimento, inveja, egoísmo, solidão.

A parte boa vem quando aprendemos que podemos mudar isso. Arly ensina que devemos ser como um carro: nosso volante, os bons sentimentos - amor, alegria, generosidade, compaixão - e nosso motor, a amorosidade. Quando sentimos algo desagradável, saímos da nossa "estrada", mas basta focar nas coisas boas para voltar para a "rota" que nos levará à satisfação pessoal. Quanto mais rápido aprendemos a identificar o que é desagradável mais rápido voltamos para a nossa estrada de paz.

Outra dica importante: quando gostar de algo e imaginar que aquilo seria bom para sua vida ou lhe faria bem, pense com amor, admiração e encantamento e com o coração puro, jamais com qualquer sentimento despertado pelo ego, dessa forma o que virá será de forma saudável e gratificante, ainda que demore um pouco mais para chegar.

A terceira dica é investir em meditação e arte - música, fotografia, manualidades - para resgatar a capacidade de sentir. Quando deixamos de nos libertar artisticamente nos fechamos para o sofrimento, mas também para o encantamento capaz de se sobrepor ao ego e de trazer conquistas saudáveis e duradouras. Já quem tem problemas para domar o ego encontra na meditação um meio de aquietar os sentimentos e crenças limitantes que não ajudam em nada.

Tenho certeza que se você parar para pensar, lembrará de conquistas que foram muito boas antecedidas por bons sentimentos e outras que se mostraram conturbadas a longo prazo após serem fomentadas por sentimentos desagradáveis.

Que tal a partir de agora amar, admirar e se encantar sobre aquilo que gostaria para sua vida?


Vídeo complementar ----> aqui (muito bom!!!)






Dois relatos pessoais sobre o tema

Há uns cinco anos, recebemos de presente de Dia dos Professores uma caderneta encapada com tecido e enfeitada com fitas. Encantada (e sem inveja) com o trabalho perguntei à professora que confeccionou como tinha conseguido fazer algo tão caprichado e imaginei que não seria capaz de fazer o mesmo. Dois anos depois, de uma forma muito inesperada, conheci virtualmente a encadernação artística - trabalho muito parecido com o da caderneta, fiz o curso e hoje é minha paixão e principal fonte de renda .

No emocional percebi pensando sobre minha história que quanto mais amor, admiração e encantamento senti/sinto pelo homem que amo - independente de condições financeiras ou sociais, de estar ao meu lado ou não - mais esses sentimentos superam distância, mágoas e inseguranças, e mais conectada e entregue me sinto mesmo na ausência, além de sentir reciprocidade mesmo quando isso não está explícito. Bem como todas as veze as em que distanciei desses sentimentos, ambos sofreram. Agora  tenho buscado trabalhar a amorosidade para vencer minhas maiores dificuldades do ego: medo, preocupação e ansiedade.

26 comentários:

  1. Oi Bia! Você sempre nos trazendo posts muito interessantes.
    Não conhecia Arly Cravo, dei só uma espiada antes de vir aqui comentar.
    É realmente curioso observar em nossas vidas esses tipos de acontecimentos, mais fácil até perceber quando as coisas dão errado, e encontrar o que está por trás disso. Refletir, investigar, e conseguir mudar emoções negativas para que não se repitam é algo que todos nós temos o alcance, a possibilidade de fazer.
    Gostei também de ler os seus relatos. Que todos possamos viver esses sentimentos tão belos que tornam a vida plena!
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana, bom vê-la aqui!
      Sugeri em outro post vídeos do Rodrigo Vitorino que gosto muito, porém ele foca bastante no financeiro... Os vídeos do Arly são mais voltados para o sentimento e esse é sempre o meu principal foco, rsrsrs, espero que tenha gostado! Ele mostra como a vida pode ser mais leve, embora não seja assim tão fácil a prática, kkkkk!
      Tem razão, eu não havia parado para pensar que os sentimentos negativos no momento de um desejo pode repercutir em uma conquista conturbada, lembrei de algumas situações assim, não foi bom. O interessante é que às vezes esses sentimentos do ego estão tão bem mascarados que nem percebemos que o que pode nascer a partir disso trará problemas futuros.
      O primeiro relato mostra um desejo quase inconsciente que se manifestou sem esforço por ter nascido de um sentimento puro de encantamento e admiração... já o segundo me fez reconhecer que amor, admiração e encantamento são os sentimentos que me foram despertados e permanecem pelo homem que eu amo, e é tudo o que eu espero sempre despertar nele também. <3
      Abraços!

      Excluir
  2. Bia, que legal isso e concordo! Tudo aquilo que planejamos com amor, leveza e coerência, conseguimos ,ainda que leve um tempinho! Gostei de ler e ver tuas experiências nesse sentido! Coisa boa! bjs, tudo de bom, ótimo carnaval! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica! Tão apropriado o uso da palavra coerência, em todos os melhores vídeos que vi e livros que li sobre autoconhecimento e busca por sonhos está ressalvada a importância da coerência (e ação) em nossas atitudes de forma a "conversar" com o amor e a leveza que tornam uma conquista algo pleno de alegria e satisfação, sem ressentimento ou amargura.
      Nos relatos eu quis trazer somente experiências positivas, embora tenha sido vítima mais de uma vez da repercussão dos pensamentos negativos. XÔ! rsrsrs
      Abraços!

      Excluir
  3. Pois, temos que ter cuidado com o que ansiamos para a ambição não se tornar um ponto fulcral da nossa vida. Concordo com a sua últma pegunta (sugestão).
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elisabete!
      Interessante ponto de vista, tem razão... a linha entre conforto, conquista e ambição é tão tênue que sem querer podemos muito rapidamente cair nas armadilhas do ego, que enfraquecem, mascaram a dor da realidade que nos distancia do que nos faz feliz e de nosso capacidade de nos reencontrar.
      Tenho colocado amor, admiração e encantamento como lemas de vida, tem funcionado, espero que dê certo para você também.
      Abraços!

      Excluir
  4. Olá, Bia.

    É o velho dilema entre ser e ter. Quem é, verdadeiramente tem. Quem apenas tem, nada é realmente. O ponto de equilíbrio, o discernimento, dominar o ego e não se acomodar em ser dominado por ele...

    Um abraço e um feliz ano novo pós-carnaval.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Apon, em outro vídeo Arly faz uma comparação muito didática, de que o ego deve ser somente um instrumento que pouco nos serve e nossa sabedoria e autoconhecimento, nosso maestro, jamais podemos deixar que o ego domine nossas ações.
      Gostei dessa diferente abordagem do Arly por mostrar a importância do sentimento na hora em que estamos imaginando o que desejamos para nós, pois dificilmente temos essa percepção, de forma a corrermos o risco de escolhermos ou darmos importância para as coisas erradas, baseados no ter.
      Abraços!

      Excluir
  5. Boa tarde, querida Bia!
    interessante, estou lendo um livro sobre Amorização...
    Amar, eis o problema!
    amar, eis a maravilha!
    Isso resume muita coisa sobre o amor... gostei do testemunho que deu no final do post sobre seu amor...
    penso que faço tudo por amor... se não... não entro nessa...
    De obrigação, já basta as que a vida oferece e a gente deve cumprir pois não podemos ser caprichosos... rs...
    Atualmente, tenho tecido em tricô... com linha, fica leve e para o inverno daqui bem propício... amo fazer isso... me tira do foco de tensão momentânea...
    A terapia cura mesmo...
    Nada faço mais por dinheiro (já passei da fase de produção, como vc ainda está, claro! Não gosto de vender, de cobrar e sim de doar mesmo...
    Em meu caso, é pelo simples fato de que nada que me gere tensão eu quero mais pra minha vida...
    Vida leve fazendo tudo o que me seja leve e com muito carinho na receita para admirar, encantar...
    Creio que tenho conseguido...
    Gostei de ler algo num blog amigo que me diz muito..
    Bjm muito fraternal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rosélia!
      Que interessante! Lendo um livro sobre Amorização, rsrsrs... tem um vídeo do Arly só sobre Amorosidade, ainda não assisti, mas verei em breve.
      Percebo que você dá tanto valor para o amor quanto eu, rsrsrs... e como é bom ter um coração onde o amor prevaleça!
      Amor, encantamento e admiração são sentimentos que tenho pelo meu amor desde que o conheci e mesmo os vieses da vida nunca diminuíram ou acabaram com isso. Minha filha sempre diz que é perceptível no meu rosto o amor quando falo dele, rsrsrs, e olha que colocamos mais de 20 anos nessa história!
      Faz bem em tricotar para aliviar a tensão, eu já tricotei bastante, rsrsrs! Hoje tenho tempo reduzido para produzir e doar, então colaboro com doações de materiais para instituições que ensinam ou vendem produtos para subsistência.
      Também tenho escolhido viver o mínimo tempo possível em estado de tensão... é claro que a vida nos tira do sério vez ou outra, mas cabe a nós meditar se vale a pena nos entregar ao sentimento danoso e fazer escolhas que nos coloquem perto da paz.
      Vejo suas andanças por aí e o quanto sua vida é preenchida pelo que faz bem! :)
      Abraços!

      Excluir
  6. Muito interessante, Bia. É facto que devemos sempre procurar o melhor que há em nós e procurar sempre melhorá-lo. Atitude positiva é fundamental.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luisa, é verdade, procurar nosso melhor é fonte de estudo inesgotável... somos compelidos a viver em defensiva, com desconfiança e medo, o que dessensibiliza o ser humano e esconde sua verdadeira e bela essência.
      Abraços!

      Excluir
  7. Malvado e maquiavélico ego! Sempre ele o responsável pelas decisões infelizes. Feliz de quem o "topa" e aniquila. Eu? Eu vou tentando.
    Beijinhos, querida Bia.
    Nina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, Nina, tem razão. Para ser sincera só vendo os vídeos do Rodrigo e do Arly compreendi de forma simples o que é o ego. Todos somos suas vítimas em maior ou menor proporção (me pego tendo dificuldades às vezes, quem nãoas tem?), e como o "bichinho" é resistente para ser domado! Mas não tenho dúvida de que o empenho e paciência para domá-lo será/é recompensado com escolhas acertadas.
      Abraços!

      Excluir
  8. Não consegui ver o vídeo estou com problemas no pc.
    Um texto muito bom. Que nos leva a refletir e a questionar as nossas atitudes. O amor é sem dúvida a roda que movimenta o mundo. Mas quase nunca só o amor chega.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elvira, vale a pena ver alguns vídeos quando puder, embora os ensinamentos sejam um verdadeiro desafio, rsrsrs!
      Tem razão, só o amor não chega, mas precisamos colocar sua força em nosso leme, ou outras pessoas/sentimentos/situações o farão por nós a partir do próprio ego, o que traz vazio e amargura. Bem como viver com amorosidade deixa o outro livre para ser quem é e assim, o amor do mundo só cresce.
      Abraços!

      Excluir
  9. Bia, mais uma ótima postagem. Aliás, a melhor parte pra mim foi a comparação com o carro. Ficou perfeito. É isso mesmo. Bjs e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio! Tenho me lembrado com bastante frequência do carro, a vida nos tira da "estrada" com bastante frequência e desenvolver essa atenção é como dirigir de verdade: evita "acidentes infelizes" com nossos sentimentos, kkkk!
      Abraços!

      Excluir
  10. O Bia,
    Desculpa , mas as letrinhas não consegui ler nem com os óculos.
    Mas, no que escreveu acima lhe digo com toda a propriedade que daria uma excelente palestrante. Já pensou nisso?
    Lindo, gostei de ler com profundidade
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dorli, obrigada, que bom que gostou! Minha filha sempre diz que eu deveria gravar uns vídeos falando sobre coisas da vida, hahaha!
      Amor, admiração e encantamento são sentimentos profundos e belos!
      Abraços!

      Excluir
  11. Boa noite Bia,
    Outro artigo muito bom.
    Claro que o adquirido sob qualquer forma de tensão mais tarde ou mais cedo se chega à conclusão de que não satisfaz o nosso ego, apenas momentaneamente e até nos traz aborrecimentos. Penso que já todos em algum momento passamos por isso e verificámos como é desagradável a sensação que fica. O ego fica ainda mais vazio. Gostei muito das dicas e sempre que puder vou ouvir as palestras de Arly Cravo, que me impressionou pelos temas que só nos podem ajudar.
    Obrigada por suas partilhas que sempre acrescentam ao meu conhecimento
    Um beijinho e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ailime, como vai?
      Muito bem colocada sua opinião, é verdade, muitas vezes aquilo que buscamos com o intuito de trazer felicidade, traz uma alegria efêmera e pode trazer consigo alguns ônus que não valem a pena o rápido instante de alegria que proporcionou.
      O Arly tem inúmeros vídeos com temas que atendem a diversas questões sentimentais e postura diante da vida com abordagem clara e muitas vezes, divertida. Assisti alguns - uns dez - e creio que cada um consegue encontrar aqueles que mais tem a ver com suas dificuldades. Recomendo também os do Rodrigo Vitorino (motivacionais) e os da Gisele Valim, mais leves.
      É importante sempre lembrarmos que mudar sentimentos e padrões venenosos requer empenho e dedicação, é trabalhoso, pois trazemos hábitos de pensamentos e atitudes muito bem mascarados dentro da gente.
      Abraços!

      Excluir
  12. Que texto gostoso , cheio de informações boas !
    assisti maior parte do vídeo, mas confesso que meu lado mimado de criança
    não consegue dirigir o carro direito. quando vejo , atropelo sentimentos, crio situações de saia justa e lá vou eu capengando meu carro.
    Eu tento, mas ele desvia muito do proposto. Por isso as vezes, me isolo. Assim não crio situações chatas. Mesmo assim, sou feliz, tranquila , carinhosa e de bem com a vida!

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zizi!
      kkkkkkk, Não se preocupe, todos temos a criança mimada morando dentro de nós, e nossa tarefa é educá-la com as ferramentas de uma boa educação: com calma, carinho, amor e bastante firmeza, rsrsrs.
      Me envolvo em poucas situações de saia justa, é mais frequente me fechar se percebo que os meus sentimentos estão tomando um rumo indesejável. O mais interessante para mim foi ter tido a percepção do quanto criar situações mentais sob o julgo dos sentimentos do ego interferem negativamente no resultado e por consequência, em nossas vidas.
      Se você está tranquila e de bem com a vida, então está alinhada com o que há de melhor! :)
      Abraços!

      Excluir
  13. Boa noite, querida Bia!
    Sabe, hoje sai no fim da tarde com o espírito elevado... justamente porque cantei no coral da teceira idade e o repertório foi tão do meu gosto que terminei meu dia internacional da mulher bem serena. ..
    Amo o que faço é sinto que é necessário o encantamento com o que nos propomos a fazer. .. seja em qual área for...
    Que bom poder se encantar, se admirar!
    Tenha uma noite festiva e abencoada!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rosélia!
      Que depoimento tocante! Em duas ocasiões participei de coral (em uma ordenação e em uma Mostra da educação), é tão gostoso cantar, faz muito bem para a alma!
      Percebo seu encantamento em tudo o que faz, sempre com um sorriso nos lábios. Creio que estimular em nós mesmos a capacidade de nos admirar e nos encantar com o que nos faz bem traz uma paz interior muito agradável que com certeza é perceptível pelas pessoas que amamos e que deve ser salvaguardada e estimulada.
      Abraços!

      Excluir

Gosto de conhecer pontos de vista. Não deixe de expressar o seu! Farei o possível para responder.
Obs: a moderação está ativada.